MENU+
PRÓXIMA Filmes que você não pode deixar de assistir com as crianças ANTERIOR Filmes que você não pode deixar de assistir com as crianças

Sobre impermanência e um pouquinho de animação

publicado em: 18/06/2014

moving-on-3

 

Ultimamente, tenho pensado muito no conceito de impermanência, em como as coisas vêm e vão e como não temos controle algum sobre elas. Aceitar isso é bem difícil, penso eu, mas a gente vai se acostumando. Li sobre isso em algum lugar e fiz uma relação com minha vida, da minha família e a vida dos amigos que tenho.

Pois bem, dia desses, o Luiz me mandou o clipe Moving On da banda James, animado pelo Ainslie Henderson. Ele, como me conhece, sabe que sou apaixonada por animação stop-motion e, muito mais, por tecidos e texturas. Enrolei um bom tempo pra ver o clipe e isso me soou engraçado agora que acabei. Não que eu tivesse ideia do que ele representava ou daquilo que queria passar, mas era justamente sobre o que eu vinha pensando durante os últimos meses.

 

moving-on-1

 

Depois de ver a animação, fiquei com lágrimas nos olhos, e achando que as coisas se conectam da forma mais interessante possível. Não foi a primeira e nem será a última vez que uma coisas dessas vai acontecer, mas ver uma história que remete ao inevitável de forma tão poética, a ponto de mostrar que existe uma continuidade pra essa nossa impermanência, me deixou com uma frestinha mais aberta no coração. :)

Claro que a técnica e a execução da animação ajudaram muito. O prêmio, minha gente, vai pro conjunto! Um beijo e assistam com carinho. <3

 

 

 

categorias : Arte / Design / Música
Ellen Rocha
Ellen é animadora stop-motion/2D e produtora de conteúdo. Totalmente sergipana, faz do “veash”parte do seu vocabulário diário. É doida por animação, smoothie de morango e banana, cintura alta, Wilco, chelsea boots, e dizem por aí que é autodivertida. Tem sérios problemas de repetição quando não gosta de uma música, mas quem pode julgar, né?

Deixe o seu comentário


1 Comentário
20/06/2014 às 14h34
Me emocionou muito este vídeo. Muito tocante! Nos faz pensar que não existe o fim, não é mesmo? Bjus